Wednesday, July 13, 2011

Tratado sobre o Amor

O amor é uma perda de tempo. E a paixão tem um prazo de validade : entre 1 a 3 anos. Depois só fica o amor convencionalzinho, todo direitinho, se ambos partilharem os meus sonhos, os mesmos projectos, os mesmos lençóis,pratos, penicos e lavandaria, tudo pode resultar. - diz a Psicóloga top do momento que aparece na capa de uma revista, em grande destaque e produção fotográfica.( para sacar mais alguns clientes).

Paro para pensar que a fulana até tem uma certa razão! Caramba É capaz de ser melhor casar nos primeiros anos ou meses, quando ainda se ferve, ainda nos maçamos com ciúmes, e qualquer coisa que o outro diz é a mais bonita do mundo. Sim é melhor assim, porque depois tudo acaba. C’est la vie mon amour….

Mas continuo a acreditar que nem todos os amores e paixões podem acabar ao fim de três anos. A Psicóloga X da Costa Y afirma veementemente que só pode permanecer a paixão platónica. Mas então é assim? Quando nos apaixonamos, sabemos de antemão que aquilo vai acabar? E o amor é uma obrigação? Recuso-me a acreditar. Isso é a mesma coisa que passar a vida a pensar na morte e no tédio que nos espera.

Continuo a acreditar que há amores imortais, daqueles ao estilo do Garcia Marquez, que há pessoas loucas – tirando os ex-namorados que no desespero decidem fazer tudo o que nunca fizeram e são ridículos – para arriscarem, como o D.Quixote, que se podem escrever cartas de amor – mesmo com a ditadura do email - que se podem dar beijos e abraços no meio da rua quando nos apetecer, que podemos fazer coisas por amor, sem medo.

E acredito também que o amor não é um produto de consumo com prazo de três anos. Esses são os amores enlatados, complicados e apertadinhos, com legendas em várias línguas na parte traseira da lata.

E sim, é perfeitamente possível viver a ilusão de que se é feliz. Mas jamais sentir na boca o gosto doce, salgado e real de viver uma paixão, que também é amor.

Só é feliz quem acredita que a paixão dura para sempre. Mesmo que para isso seja preciso esperar cem anos.Ou mais.